Nossos queridos animais de estimação têm todo o nosso carinho, atenção e cuidados.

Muitos outros animais não têm tanta sorte e terminam em circos, realizando um triste espetáculo onde pessoas riem da sua dignidade perdida. Conheça a triste realidade destes pobres animais e diga não ao circo com animais.

Os Elefantes

Os elefantes são animais muito inteligentes que se comunicam e têm hierarquia social. São capazes de reconhecer familiares com os quais perderam contato desde filhote, ficam de luto por familiares mortos.

Necessitam de grandes espaços, pois andam dezenas de quilômetros diariamente. Quando privados de exercício, sofrem de problemas nas patas.

Os animais de circo passam por meses de tortura até serem dominados pela dor.

São amarrados sentados numa jaula onde não conseguem se mexer, até que seus órgãos internos comecem a doer;

São surrados diariamente e são deixados em cubículos sobre os seus próprios excrementos, até que o seu “espírito seja quebrado” e ele assuma uma postura submissa;

No circo, permanecem acorrentados e, após algum tempo, apresentam neurose pela privação de liberdade. Esta neurose pode ser diagnosticada pelos movimentos com a cabeça numa pretensa “dança” durante as apresentações no picadeiro.

O diretor do San Francisco Zoological Gardens chegou a fazer esta afirmação absurda: “Como fazer para conseguir a atenção de um elefante de 5 toneladas? Surre-o, eis como”.

 

Os Grandes Felinos

Os grandes felinos, tão belos e majestosos na natureza, são acorrentados a pedestais e têm a garganta enrolada por cordas e correntes, gerando sensação de asfixia até que se submetam ao “tratador”.

São agredidos com barras de ferro, dominados com violência por fogo e chicote e queimados na testa, pelo menos uma vez na vida, para que se lembrem da dor intensa e obedeçam.

Muitos deles têm garras e dentes arrancados e passam a vida em minúsculas e imundas jaulas.

 

Os Ursos

Os ursos têm o nariz quebrado para que a dor intensa diminua a sua “valentia”. As suas patas dianteiras são queimadas para que não consigam pisar sobre elas e “aprendam” a caminhar sobre duas patas. São colocados sobre chapas de metal incandescente sob o som de determinada música e, quando a ouvem no picadeiro repetem os movimentos saltitantes pelo calor da chapa nas patas, simulando uma “dança” cruel. Não é incomum encontrarmos ursos com língua cortada ou garras arrancadas.

Os ursos que permanecem em cativeiro apresentam movimentos de um lado para o outro e às vezes se auto mutilam, mordem as patas, batem a cabeça contra as grades e chegam a morrer em função das lesões auto provocadas.

 

Os Macacos

Estes apresentam reações semelhantes a crianças que sofrem abusos. Roem unhas, gritam, se debatem nas jaulas e até se auto mutilam.

São também surrados para aprenderem a “obedecer” e têm dentes arrancados para serem fotografados juntos às crianças.

 

Os Cavalos

São açoitados, feridos com esporas e mantidos confinados sem direito a caminhadas até que fiquem mansos, submissos.

 

Tosos os animais de circo estão sujeitos a técnicas cruéis de adestramento, de submissão que incluem choques elétricos, chicotadas, pauladas, privação de água e comida. Permanecem confinados sem as mínimas condições de higiene e, freqüentemente adoecem e permanecem sem assistência médico-veterinária.

Viajam por longas horas em acomodações inadequadas, insalubres, sem ventilação, sem higiene, sem climatização. Enfrentam mudanças bruscas de temperatura e às vezes permanecem sob chuva, vento, de forma absolutamente cruel e abominável.

Quando ficam velhos, muitos deles são sacrificados para servirem de alimento para outros animais, outros tantos são abandonados. Há relatos de felinos que morreram de fome dentro de jaulas.

Há publicação do Jornal “O Globo” do Rio de Janeiro de 21 de abril de 2000 de matéria sobre o abandono de sete leões em condições precárias de saúde em um galpão em Nova Iguaçu. Eram animais do Circo Vostok que foram simplesmente deixados para trás.

Em abril de 200, o jornal “Diário Popular” de Atibaia, interior de São Paulo publicou matéria sobre o abandono de quatro leões em terreno baldio nesta cidade.

Em 7 de janeiro de 2003, três leões foram abandonados pelo Circo Stankovich dentro de duas jaulas em uma praça. Um dos leões veio a morrer, pois estava muito debilitado devido às crueldades sofridas no circo.

Alguns circos anunciam em jornais a compra de gatos e cães velhos ou abandonados e os servem como alimento aos animais do circo.

 

Segue aqui, a lista de circos que utilizam animais em suas apresentações;

Le Cirque
Circo Di Napoli
Circo Bartholo
Circo Beto Carreiro
Circo Bim Bobo
Circo De Roma
Circo da Romênia, do Mário Stankovich
Circo Garcia
Circo Moscow
Circo Stankowich
Circo Tradição
Circo Vostock
Washington Circus

Circos que não utilizam animais em suas apresentações:

Cia Clawnesca Cara Melada
Cia Pavanelli
Circo da Alegria
Circo Dança Teatro Intrépida Trup
Circo Girassol
Circo Mínimo
Circo Navegador
Circo Spacial
Circo Teatro Musical Furunfunfum
Circo Trapézio
Circo Vox
Circodélico
Cirque Ahbaui
Companhia Teatral e Circence Trupe Sapeka
Parlapatões, Patifes & Paspalhões
Sply
Up-Leon
Circo Popular do Brasil
Circo Gran Bartholo

Ao ir num circo, lembre-se; “CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL”