You are currently browsing the monthly archive for fevereiro 2009.

A vacinação e a vermifugação são fundamentais na manutenção da saúde dos nossos grandes amigos.

vacinxvermif

A pesquisa publicada em nosso blog nos deixou um pouco preocupados em relação aos cuidados indispensáveis aos animais. Não podemos nos esquecer de que algumas doenças fatais podem ser prevenidas através das vacinas que são praticamente indolores.

Veja esquemas de vacinação para cães e de vacinação para gatos .

A vermifugação periódica também ajuda a manter o seu animalzinho livre de parasitos que atrasam o seu crescimento ou prejudicam a sua imunidade, proiciando o aparecimento de diversas doenças e de sintomascomo cólicas, võmitos, diarréia, dentre outros.

O animal protegido pode conviver com a sua família sem oferecer riscos para ela.

Inocentes, amorosos e fiéis os animais muitas vezes são vítimas da violência de seres “racionais”.

Conheça os direitos dos animais e denuncie a violência irracional contra todos eles.


Há duas semanas publicamos esta enquete e hoje trazemos o resultados

Você concorda? Não?

melhor-cao-apart

Por favor, deixe o seu comentário, clicando aqui

brady-bone1

  1. Cães e gatos ficam gripados?

    Sim, como qualquer outro mamífero e a gripe deve ser bem tratada para que não se transforme em pneumonia. A qualquer sinal de coriza, espirros, tosse ou febre, leve logo o seu amiguinho ao veterinário.

    A gripe é tão comum entre os cães, que existe vacina para prevení-la.

  2. Que altura pula um gato?

    Um gato é capaz de pular 5 vezes a sua altura.

  3. Quem ouve melhor? Cães ou gatos?

    A audição dos gatos é muito mais sensível do que a dos homens e cães. Seus ouvidos afunilados, canalizam e amplificam os sons como um megafone. Os gatos ouvem até 65 khz (kilohertz), enquanto que os homens ouvem até 20 khz.

  4. Para que servem os bigodes dos gatos?

    os fios do bigode do gato, chamados de vibrissas (pêlos sensoriais de orientação), têm a capacidade de auxiliar no tato e também na movimentação do animal, alertando-o sobre eventuais perigos no caminho. Também são considerados vibrissas as sombrancelhas e os pelos nas pontas das orelhas e, todos funcionam como um importante mecanismo do corpo dos felinos. No escuro, por exemplo, os longos bigodes conseguem perceber os perigos próximos ao gato que ele não enxerga. Estímulos são enviados ao cérebro para produzir os reflexos necessários à proteção.

  5. Como dar comprimidos a cães e gatos?

    Abra-lhe a boca, voltada para cima, e enfie o comprimido o mais fundo que puder. Em seguida, é preciso fechar a boca do animal com força e massagear-lhe o pescoço. As pílulas secas podem ser umedecidas com óleo vegetal. Se o animal lamber o nariz, significa que o remédio foi engolido.

  6. Cães e gatos sonham?

    Sonham, sim. E às vezes fazem careta e mexem as patas enquanto sonham. Os cães e gatos sonham mais do que a maioria dos humanos e, à medida que vão do sono leve ao profundo, seus olhos começam a mover-se junto com as outras alterações elétricas do corpo. Alguns até emitem pequenos latidos ou uivos chorosos.

  7. É necessário bater no cão para adestrar?

    Não. O estimulo positivo, através de petiscos ou um afago funciona muito melhor do que a violência.

  8. Os gatos são fiéis como os cães?

    Sim, os gatos são fiéis, amigos e companheiros.


Numa cidade tão grande como Tóquio, muitas são as pessoas que sentem-se solitárias. Um terço dos cidadãos vive sozinho.
Com espaços de moradiacada vez menores, muitas pessoas não teem como criar animais de estimação. Entretanto, sempre criativos, os japoneses, que adoram animais, encontraram uma forma interessante de “matar” a sua vontade de conviver com os adorados bichinhos. Essa adoração motivou o surgimento em cidades como Tóquio de cafeterias especializadas em gatos, nas quais as pessoas têm à sua disposição vários felinos prontos para dar carinho e companhia.
Por meia hora em companhia de muitos felinos, os clientes pagam 500 ienes (aproximadamente R$ 7,50).
Nesses estabelecimentos é permitido consumir bebidas como chás, café, suco ou bebidas alcoólicas mas, devido ao rigoroso controlede higiene, não é permitido comer nada.
Todo ano, vários estabelecimentos deste tipo são inaugurados no japão e os proprietários garantem ser lucrativo.
A época de maior movimento é a primavera.
Confira nos vídeos:

 

tarapia-animal-11Há algum tempo os cães vem sendo utilizados, em todo o mundo, no auxílio à recuperação de pacientes, sobretudo de idosos e crianças.
O Hospital Universitário de Brasília (HUB), realizou um estudo utilizando cães no tratamento de pacientes com Alzheimer, Sob a orientação das veterinárias Damaris Rizzo, Esther Odenthale Renata Guina, o trabalho foi realizado por um ano, há cerca de  quatro anos trás e apresentou resultados animadores.
Dois cães especialmente treinados para esta função, o golden retriever Barney e o bernês Ventus frequentaram semanalmente o Centro de Referência para os Portadores da Doença de Alzheimer. Cada grupo de dez idosos recebeu a visita dos cães por oito semanas. Os pacientes interagiram muito bem com os animais, brincaram com bola e trocaram carinho.
Apesar de relativamente nova no Brasil, esse tipo de terapia já é motivo de muitos trabalhos científicos no mundo. A ONG americana “Delta Society” dedica-se exclusivamente à terapia animalassistida e mantém no seu site mais de cem estudos sobre este assunto. O mais importante e reconhecido deles foi publicado no American Journal of Cardiology em 1995 e comprova que o convívio com animais ajuda a controlar o stress, reduz a pressão arterial e os riscos de problemas cardiovasculares. Encontramos ainda interessante estudo de dezembro de 2003, relizado nos Estados Unidos com 15 portadores de Alzheimer que revelou surpreendente melhora na interação social e na agitação dos pacientes com a terapia animal assistida.

Acredita-se que a presença do animal mude o humor e exercite a memória.

Na pesquisa realizada em Brasília, as sessões foram iniciadas com um diálogo com as pesquisadoras, onde foram feitas perguntas aos idosos sobre o encontro anterior, já que é sabido que os pacientes com doença de Alzheimer perdem a memória para fatos recentes. De forma surpreendente os pacientes, na maioria das vezes não se recordavam da pesquisadora mas não se esqueceram dos cães e lembraram-se até mesmo dos seus nomes.

terapia-animal3O ato de jogar bola com os animais já representava atividade física importante para os idosos. Os cuidados com os animais como escovar o pelo também ajudou na fisioterapia e na coordenação motora.
O trabalho perdurou por um ano e os familiares de alguns pacientes revelaram que estes passaram a cuidar melhor da aparência, apresentavam temperamento mais alegre, fato importante pois a
tarapia-animal21tristeza é uma marca muito grande dessa doença.
Este tipo de terapia
ainda apresenta resistência no meio médico, principalmente pelo temor de que a presença de animais nos hospitais possa representar vetor de transmissão de doenças.
Os japoneses, sempre inovadores, criaram um cão robô que melhorou a interação e a comunicação dos idosos mas com um alto custo : uma versão do cão robô custa cerca de US$ 1.500. Além disso, não se sabe se os robôs são tão eficientes quanto os animais de verdade em casos que exigem outros tipos de interação com os pacientes.

Todos sabemos ser muito prazeirosa a convivência com os nossos grandes amigos de quatro patas. Todos que adoram e convivem com animais, há muito tempo já sabem que amor, carinho e atenção, principalmente vindos de um amigo fiel trazem muitos benefícios aos humanos que já não confiam tanto nos seus pares.

Pesquisa no blog

Para localizar publicações antigas, clique no dia do calendário ou insira a palavra que deseja pesquisar no campo "SEARCH" , no final da página.

Artigos publicados por data

fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Nosso Endereço

Av. Prof. Sabino Silva, Ed Lusan, Loja 1, Chame-Chame
Site certificado
voos
voos
ABCVoos

Acessos

  • 834,618 visitantes
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.